5 lugares que você deve evitar de visitar na América do Sul

A lista de lugares apresentada nesse artigo é uma pesquisa baseada nos dados fornecidos pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos, que seria o equivalente ao Ministério das Relações Exteriores do Brasil.
Para dados sempre atualizados, antes de viajar para qualquer lugar, não deixe de visitar a fonte da pesquisa: https://travel.state.gov/content/travel/en/traveladvisories/traveladvisories.html/

 

Venezuela

Desde dezembro de 2019, o país passou a ser categorizado como “nível 4: não viaje”. Isso se deve ao fato de haver uma grande quebra da infraestrutura médica da Venezuela, com escassez de remédios e suprimentos médicos, além da falta de alimentos, eletricidade, água, em grande parte do país.
Outros motivos que levam o governo americano a recomendar que visitas ao país sejam evitadas são a ocorrência de crimes considerados violentos, como roubos de carros, assaltos à mão armada, sequestros, homicídios, e o acontecimento de manifestações políticas e comícios com pouco aviso prévio.
A polícia e a força de segurança costumam responder a essas manifestações políticas de forma forte, fazendo uso de spray de pimenta, gás lacrimogêneo, balas de borracha, canhões de água contra os manifestantes. Eventualmente, tais manifestações acabam se transformando em saques e episódios de vandalismo.

 

Colômbia

O país foi categorizado como “nível 2: exercite maior cuidado ao viajar” em abril de 2019. Entretanto, as regiões de Arauca, Cauca (com exceção de Popayan), Chocó (com exceção de Nuquí), Nariño e Norte de Santander (com exceção de Cucuta) são alertadas como locais para os quais não se deve viajar devido a ocorrência de crimes e terrorismo.
Embora o governo colombiano tenha feito um acordo com as FARC, o grupo terrorista Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, assinando um acordo de paz, existem alguns grupos dissidentes dessa organização que se recusam a parar suas operações.
Enquanto isso, ainda existem os riscos trazidos pelo grupo terrorista ELN, Exército de Libertação Nacional, que segue planejando ataques pela Colômbia. Os ataques visam áreas públicas, instalações do governo local, centros de transporte, locais turísticos, grandes eventos esportivos e culturais, até mesmo instituições educacionais.

 

Equador

O Equador foi categorizado como “nível 2: exercite maior cuidado ao viajar” em abril de 2019. Contudo, da mesma forma que na Colômbia, existem algumas áreas específicas do país que são classificadas como “não viaje”, são elas: Carchi, Sucumbíos e a parte norte da província de Esmeraldas, incluindo a cidade de Esmeraldas. Isso se deve à ocorrência de crimes nessas regiões.

Atentados contra militares e forças policiais do país foram realizados na província de Esmeraldas por grupos criminosos transnacionais que operam na região. Além disso, esses mesmos grupos criminosos também cometeram crimes violentos e acabaram até mesmo matando cidadãos locais.

 

Chile


Em novembro de 2019, o país foi classificado pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos como sendo um país “nível 2: exercite maior cuidado ao viajar”, devido distúrbios civis. Protestos e manifestações acontecem sem muita consideração à segurança pública, podendo resultar em danos à propriedade, interrupções no sistema de transporte, saques, e até mesmo incêndios criminosos. Para interromper os protestos, autoridades fazem uso de gás lacrimogêneo e canhões de água.
Em outubro de 2019, o governo chileno suspendeu o Estado de Emergência que havia sido imposto e que incluía toque de recolher em diversas cidades do país. Entretanto, ainda acontecem, na capital e outras cidades do Chile, conflitos entre manifestantes e a polícia do país. Isso resulta em alguns estabelecimentos comerciais operarem com horário de trabalho reduzido, principalmente à noite, interrupções no transporte e obstruções nas rodovias.

 

Brasil


O Brasil passou a ser considerado um destino “nível 2: exercite maior cuidado ao viajar”, em janeiro de 2020, sendo algumas regiões classificadas como “não viajar”. Áreas a menos de 150km das fronteiras terrestres brasileiras com Guiana, Suriname, Guiana Francesa, Colômbia, Peru, Bolívia, Venezuela e também Paraguai, devem ser evitadas devido a atividades criminosas. O Departamento de Estado dos Estados Unidos faz uma ressalva que isso não se aplica aos Parques Nacionais de Foz do Iguaçu e do Pantanal.
Cidades satélites de Brasília, como Santa Maria, Ceilândia, São Sebastião e Paranoá estão na lista de lugares a serem evitados em horários não diurnos devido a ocorrência de crimes. O cuidado ao circular é recomendado em praticamente todas as áreas urbanas do país, já que roubos de carros, assaltos à mão armada, crimes violentos são comuns.

Facebook Comments